domingo, 13 de novembro de 2011

Lisboa - Portugal

Todos nós sabemos que Portugal é uma terra onde se come muito bem.
Os brasileiros normalmente tem uma relação de amor com a terrinha.

Na primeira vez em que estive lá, em 1996, não me dei muito bem, talvez por inexperiência ou por falta de sorte mesmo. 
Desta vez pesquisei um pouco antes de viajar e tive algumas experiências boas.
Assim que chegamos em Lisboa, devido ao cansaço da viagem, resolvemos comer próximo ao hotel, no restaurante turístico "X" (ou Xepa Xepa não lembro bem) na Rua dos Coreeiros 116.

Pedimos o couvert e para beber, vinho branco da casa. 

O couvert consistia em pão, patês e queijo Serra da Estrela que é um queijo curado com pasta semimole, amanteigada de cor branca. É feito a partir do leite de ovelha na região com mesmo nome, DELICIOSO. 
Um dos patês era de sardinha e foi o que mais gostei. 
Para entrada pedimos a sopa de legumes do dia que estava muito boa.

No prato principal pedimos sardinhas assadas acompanhadas de salada. 


O marido adorou e eu descobri que ODEIO sardinhas assadas. Além de tudo o prato era "fraco" pelo preço que custava. 
Achei que a conta foi cara (45 euros) e saí com a sensação que fui mais uma otária que caiu no conto do restaurante turístico, ou seja, pagamos muito para comer mal. 

Não faça como nós e evite os restaurantes em áreas turisticas.

À noite chegou e combinamos um encontro com um casal amigo que mora em Lisboa: o Igor, brasileiro, e sua esposa, a portuguesa Suzana. 

Eles nos levaram a um lugar incrível que mudou nossos destinos gastronômicos na terra do "ora pois".
Muito próximo a região turística do Chiado,  ao mesmo tempo escondido, com ares de caverna e antiquário, fomos apresentados ao Fábulas. Amor à primeira vista  mordida.



O Fábulas é um misto de restaurante, wine bar, galeria de arte e café. O ambiente por si só é lindo. As fotografias penduradas nas paredes remetem ao cinema mudo e as peças do mobiliário foram compradas em feiras e antiquários. Pelo fato do ambiente ser escuro, nossas fotos não favoreceram. O local é muito mais lindinho do que mostra as fotos.

Para beber, eu e o Igor resolvemos pedir uma jarra de sangria de vinho branco. Não tenho palavras para descrevê-la. 

O Marco e a Suzana pediram de suco de maçã.

Para a entrada, o marido pediu uma gaspacho de tomate, amou! O gaspacho é uma sopa fria à base de vegetais.
Quiche de legumes e salada

Depois pedimos quiche de legumes com salada! Outro que fez um tremendo sucesso.

Nos dias que se sucederam a viagem eu continuei fazendo minhas refeições por lá:
Bacalhau gratinado com cebolas roxas

Comi o bacalhau gratinado com batatas e cebolas roxas. Hummmm

Bacalhau gratinado com cebolas roxas

Tosta de frango com queijo flamengo (ou queijo-do-reino) e também tosta com recheio de legumes. 

As duas estavam maravilhosas. 


Tostas
Tostas
Sopa de fava
Provei as sopa do dia (cenoura e aipo e fava).

Continuei com as minhas degustações de sangria e seguindo a dica do garçom, a esta altura meu amigo de infância, experimentei a sangria de espumante com morangos. Ai ai aiii...

Sagria de espumante e morangos

O preço dos pratos? Muito mais em conta do que qualquer restaurante turístico. 
O mais caro era o bacalhau (11 euros). 
As tostas custavam na faixa de 6 euros e, caso quisesse, você poderia adicionar salada por mais 1 euro.
Eu tenho que agradecer milhões de vezes a esse casal fofo por ter nos apresentado esse restaurante! 
E você quando for a Lisboa não pode deixar ir lá ok?
Ele fica escondido mas vou explicar como chegar: Desca na estação do metro do Chiado e pegue a saída em direção da Rua Augusta (se você já estiver no centro melhor ainda).
Já na porta da estação vire a direita e suba a escada que tem ao lado do prédio da estação (prédio do shopping Armazém do Chiado). Chegando na rua de cima atravesse-a e continue subindo a outra escada (que fica meio escondida a sua esquerda). Nessa escada, você passará por vários outros restaurantes legais e o Fábulas será o último. O endereço é Calçada nova de São Francisco 14, Chiado, Lisboa.
Mas o Fábulas não foi o único. Continuando as dicas imperdíveis de Lisboa, vá tomar um café na Confeitaria Nacional

Esta é a mais antiga confeitaria da baixa Lisboa. Foi fundada em 1829 e permanece até hoje com a mesma família.
Ali você encontrará maravilhosos doces e salgados além do local ser lindo. A estrela do lugar é o Bolo Rei.
Ao entrar você se sente em uma outra época. A linda escada de madeira conduz ao salão de chá.
Fomos tomar um café da manhã lá. Naquele dia não me sentia muito bem então pedi um copo de leite, um croissant com queijo e um bolo de arroz. 

O croissant estava maravilhoso. O bolo também.


O marido foi de bolo de chocolate e doce guardanapo. Gostou bastante também.


Para caprichar nas dicas, pedi para a amiga Rosana, que também estava em Lisboa, escrever um post sobre os famosos caracoles (que eu não comi). 


Os caracóis são uma espécie de gastrópodes muito consumidas no sul de Portugal. Os entendidos na matéria explicam que o período de maio a agosto é o ideal para o consumo desta iguaria, pois é nesta época que termina o ciclo de criação da espécie.


Diz aí Rosana qual a sua impressão dos caracóis?
"Eu comi os caracoles e umas coisas de porco que eu não lembro o nome. No primeiro momento eu achei estranho, mas encarei. O caracoles são bem pequenos e vem acompanhado de um pão maravilhoso. É gostoso, e o ideal é tomar com uma cerveja bem gelada. Bebi "panache" mistura de cerveja com água gasosa (fica adocicado, e é gostoso... mas prefiro uma cerveja bem gelada). 
As iguarias são morcela de carne, farinheira e morcela de porco, todas de gosto muito forte. 
Vale, mas não é tuuuuuuuuuuuuuuuudo de bom".

Restaurante: Julio dos Caracois

 Outras dicas imperdíveis:

Não se esqueça

- De comer muita cereja;
- De tomar o licor de cereja mais típico de Portugal: a Ginjinha;

Licor de cereja A Ginginha
A Ginjinha é feita a partir da fermentação de uma cereja ácida conhecida como ginja. Você pode provar num dos locais mais tradicionais de Lisboa, o balcão do bar "A Ginjinha", na Baixa, pertinho da Praça do Rossio ou em Óbidos, logo na entrada da vila. Lá peça sua ginjinha num copo de chocolate.
- De comer o pastel de nata em qualquer padaria da cidade ou;
- De comer o Pastel de Belém na padaria que leva o mesmo nome, pertinho do Mosteiro dos Jerônimos. Nós não encaramos a fila na porta e preferimos comer um pastel de nata em outra confeitaria no centro.
- Uma parte do sucesso da gastronomia portuguesa se deve aos doces portugueses;
Não deixe de experimentar: 
Guardanapo
Cornucópia
Travesseiro
Bola de Berlim (sonho)
Bolo de Arroz
- Em Sintra TEM que comer a Queijadinha e Travesseiro do Café A Piriquita.

Nós tivemos o azar da filial mais próxima do Palácio Nacional de Sintra estar fechada para reformas, porém, tivemos a sorte bem na hora em que estavamos perguntando onde era a outra filial, uma das garçonetes sair com uma caixa enorme de travesseiros, recém-saídos do forno para levá-los para lá. Fomos atrás dela e ainda conseguimos comê-los quentinhos.
Poderia passar 3 dias aqui dando dicas do que comer em Lisboa, porém vou deixar para você contar como foi sua experiência lá! Comente!

Agradecimentos mil ao Casal fofo Igor e Suzana que nos apresentaram o fabuloso Fábulas.

Espero que tenham gostado!
Bom apetite

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Booking.com
Pin It button on image hover